Galeria 1618

Seu site de artigos jurídicos

Precisa De Ata Notarial Para Adjudicação Compulsória Extrajudicial 2023?

precisa de ata notarial para adjudicação compulsória extrajudicial
precisa de ata notarial para adjudicação compulsória extrajudicial

A ata notarial tem se destacado como uma ferramenta poderosa em diversos trâmites legais, e não seria diferente quando se fala em adjudicação compulsória em 2023.

Mas, você já se perguntou se essa é uma exigência para tal procedimento?

A dinâmica imobiliária e jurídica está em constante evolução, e a busca pela eficiência e desburocratização dos processos é uma realidade cada vez mais presente.

Assim, entender o papel da ata notarial nesse cenário é crucial para quem deseja garantir seus direitos de forma ágil e segura.

Mergulhe conosco nesta discussão e descubra se, de fato, esse instrumento notarial é indispensável quando se pensa em adjudicação compulsória em nosso cenário atual.

Este artigo tem como objetivo desvendar esse mistério e oferecer insights valiosos sobre o assunto. Fique conosco!

O que é ata notarial?

A ata notarial é um instrumento público pelo qual o tabelião, ou seu substituto legal, atesta fielmente os fatos, coisas ou situações para comprovar a existência e veracidade de um evento ou situação.

Ela serve como prova jurídica, capturando a realidade de um determinado momento, seja relacionado a declarações, conversas, estados de coisas, condições de lugares, entre outros.

Emitida por um notário, esta ferramenta legal possui plena fé pública e autenticidade, conferindo robustez e segurança àqueles que a utilizam.

Muitas vezes recorrida em situações de possíveis controvérsias ou litígios, a ata notarial assegura aos envolvidos um registro imparcial e preciso, sendo frequentemente utilizada em processos judiciais ou extrajudiciais.

Portanto, quando se busca um meio de comprovar um fato ou circunstância específica, a ata notarial se destaca como um instrumento poderoso e confiável.

Precisa de ata notarial para adjudicação compulsória extrajudicial?

A ata notarial para adjudicação compulsória extrajudicial não é obrigatória, contrariamente à proposta inicial.

Originalmente, o projeto demandava que a ata, elaborada por tabelião de notas, contivesse informações detalhadas sobre o imóvel e o promitente comprador, bem como provas do pagamento e da falta de cumprimento contratual.

No entanto, conforme a Mensagem nº 329, de 27 de junho de 2022, esta exigência foi vista como potencialmente burocrática e onerosa, podendo manter certos imóveis na esfera da informalidade.

Deste modo, a previsão foi revogada para tornar o processo mais ágil e menos custoso.

Portanto, ainda que a ata notarial possa ser um recurso valioso de comprovação em muitos cenários, ela não se tornou uma premissa indispensável no contexto da adjudicação compulsória extrajudicial.

Ao planejar essa ação, é crucial estar atento às nuances e atualizações legais.

Quais os documentos necessários para ação de adjudicação compulsória extrajudicial?

Para dar entrada na ação de adjudicação compulsória extrajudicial, conforme a Lei n. 14.382/2022, é imprescindível apresentar:

  • Contrato de promessa de compra e venda, cessão ou, se aplicável, documento de sucessão.
  • Prova de inadimplemento referente à não concretização da transferência total da propriedade. Esta prova geralmente é evidenciada através de notificação extrajudicial, feita pelo oficial de registro de imóveis local, concedendo 15 dias para outorga da escritura definitiva.
  • Comprovante de pagamento do Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI).
  • Procuração específica para essa finalidade.
  • Certidões forenses que comprovem a ausência de litígios sobre o contrato promissório do imóvel em questão, obtidas tanto na comarca do imóvel quanto no domicílio do requerente.

Cumprindo rigorosamente essas etapas, o oficial de registro do imóvel prosseguirá com o registro de domínio em nome do promitente comprador, utilizando a promessa de compra e venda, ou documento pertinente, como título para o registro.

Onde dar entrada na adjudicação compulsória extrajudicial?

A entrada na adjudicação compulsória extrajudicial deve ser dada no cartório de registro de imóveis da situação do imóvel em questão.

Este procedimento, previsto pela Lei n. 14.382/2022, permite ao promitente comprador obter a escritura definitiva do imóvel quando há inadimplemento do compromissário vendedor.

A vantagem desse método é que ele oferece uma alternativa mais rápida e menos burocrática em comparação com a via judicial, otimizando o tempo e, muitas vezes, os custos envolvidos.

A escolha pela via extrajudicial não impede a busca por soluções judiciais, mas, na maioria dos casos, a resolução no cartório é mais ágil.

Por fim, é essencial que o requerente esteja atento aos requisitos legais estabelecidos pela legislação e, busque de um advogado para garantir que o processo ocorra sem imprevistos.

Conclusão

 Em suma, a obrigatoriedade da ata notarial foi alvo de veto presidencial, simplificando o processo.

Tal decisão evita custos adicionais e burocracia.

É vital para os envolvidos estar cientes dessas mudanças e buscar orientação atualizada.

O mundo jurídico está em constante evolução; estar bem-informado faz toda a diferença.

Enfim, que bom que você chegou até o final! Você tem alguma dúvida sobre o tema? Escreva aqui nos comentários que nós te ajudaremos.

Se puder, compartilhe o artigo para que mais pessoas tenham acesso à informação. Para mais conteúdo como esse continue acessando o nosso blog.